Rolezinho do Dicas da Saideira: saiba mais sobre esse projeto para quem gosta de “botecar”

“Salve, salve, nação cervejeira!”. Se você já ouviu esse bordão, provavelmente já assistiu à live do Dicas da Saideira, programa que vai ao ar às sextas, a partir das 17h, na programação online do Aratu On. A atração reúne, como o próprio nome sugere, dicas de bares em Salvador para quem gosta de bons petiscos e bebidas. Mas não para por aí: a fim de levar a experiência para o público que gosta de “botecar” na cidade, o Dicas criou o projeto “Rolezinho”.

É muito simples: quem quiser participar paga uma taxa única de R$ 80, que inclui uma rodada de bebida e de petiscos. Um veículo alugado sai de um local combinado, e leva esse grupo para três bares da capital baiana. Além disso, nós ainda temos direito à um open bar dentro do transporte que, nesta edição, foi patrocinado pela cerveja Cacildis, que faz uma homenagem ao saudoso humorista Mussum. No último sábado (13/7), o Rolezinho do Dicas teve sua 3ª edição e uma galera animada conheceu a Quitanda do Baianinho, Feijão da Fará e o bar Pai Inácio.

Pegamos o micro-ônibus em frente ao Shopping da Bahia, às 11h da manhã do sábado, e seguimos para a Rua Oswaldo Cruz, no Rio Vermelho, onde fica a Quitanda do Baianinho. O lugar já é bastante conhecido pela variedade de cachaças que possui para venda. Local ideal para quem gosta de uma boa bebida, lá experimentamos batidas de coco, goiaba e limão, misturadas com cachaça, e a Kiricó, produzida em Mata de São João.

Messias Rocha, 54, é advogado e economista, mas preferiu se aventurar no ramo cachaceiro. O projeto do Quitanda nasceu nas ruas da cidade de Salvador, mais precisamente na Feira da Cidade. “A minha história com a cachaça é que eu sempre fui admirador, apreciador e colecionador, e acabei descobrindo nesse mercado um nicho, que era justamente levar informações sobre a cachaça para as pessoas”, contou ele.

O bar tem espaço para degustação das bebidas, além de servir diversas comidas, como o caldo verde com bacon, que nós experimentamos. Messias também adiantou que os dias mais cheios são as sextas e sábados, então, caso queira conhecer, se programe para garantir sua mesa! Os preços das cachaças variam entre R$ 25 e R$ 500. “A cachaça têm um público muito grande de consumidores para atender. Tanto têm aqueles que querem só pra uma caipirinha, como tem aquele apreciador, que quer um produto mais elaborado. A gente consegue atender todo esse público”, disparou o dono da Quitanda do Baianinho.

Saindo de lá, seguimos direto para o bairro de Santa Mônica, mais precisamente para a Rua Dr. Aristídes de Oliveira, onde fica o famoso Feijão da Fará. O bar tem uma área coberta, mas também oferece mesas ao ar livre, debaixo de um enorme pé de árvore, de um jeito bem ‘raíz’. Lá, curtimos uma boa cervejinha, servida com pastéis de bacalhau, abará, e claro, o feijão feito pela própria Fará, dona do estabelecimento.

Faraildes Ferreira Santos, ou melhor, Fará 69 anos, cozinha e administra o restaurante e bar, aberto há 29 anos. “O carro-chefe da casa é o Feijão da Fará, depois tem o cozido, dia de quinta-feira, e temos também a costelinha de porco com farofa de manteiga, campeã do Comida di Buteco”, contou ela. As comidas por lá custam a partir de R$ 12 reais, e além das bebidas tradicionais, tem também o cravinho da Fará, para quem gosta de experimentar coisas novas.

Mesmo de barriga cheia, o Rolezinho ainda tinha um lugar para visitar, então tomamos nosso rumo de volta para o Rio Vermelho, para finalizar o dia no Pai Inácio, bar que fica no antigo Mercado do Peixe, e já se tornou uma das rotas dos soteropolitanos. Tomamos mais uma rodada de cerveja, e provamos os pastéis de queijo da casa, ao som da dupla sertaneja Julio e Jonathan.

Com 3 anos de casa, o Pai Inácio já se consolidou como um dos locais mais animados da capital baiana, oferecendo música ao vivo de quarta a domingo. Segundo o gerente do local, Carlos Alberto, 54, o domingo tem sido o dia mais cheio, principalmente por conta de um projeto que reúne artistas para cantar música sertaneja de raíz. O couvert artístico varia de R$ 5 a R$ 25, e as bebidas, a partir de R$ 9,99, dependendo do dia. Finalizamos o passeio ali, pertinho do mar da Praia do Rio Vermelho, com aquele céu de fim de tarde que só Salvador tem.

No fim, o Rolezinho é a dica ideal para quem, assim como eu, gosta de petiscar, beber e aproveitar o dia sem se preocupar com a conta. Também é uma boa oportunidade para conhecer pessoas que curtem isso tanto quanto você. A próxima edição acontece em setembro, e assim como garantiu Marcela Souza, idealizadora e apresentadora do Dicas da Saideira, será ainda melhor. E aí, te vejo lá?

Nenhum Comentário

Os comentários estão desativados.